Pages

14 de mai de 2009

Cenas do cotidiano: O bom e o mau profissional de medicina

Hoje pela manhã, precisei ser medicada, porque desde a madrugada de hoje dava sinais de uma intoxicação alimentar. Dessas de não conseguir nem ficar em pé... febre, dor no corpo todo, vômito, muito mal-estar...

Fui com minha mãe ao posto da Saldanha Marinho, chegando lá como estava muito mal mesmo, consegui prioridade para ser atendida logo. Foi então que o médico surgiu no corredor. Havia uma fila com 5 pessoas esperando na frente do consultório dele esperando atendimento. E ele andava pra lá e pra cá argumentando com cara feia, quando minha mãe perguntou o que estava acontecendo o homem disparou: “Minha senhora você não tem nada haver com isso...” e saiu andando, depois de 5 minutos apareceu um outro médico, que veio e nos atendeu com a maior boa vontade do mundo. No meio da consulta o outro médico o super-bem-educado abriu a sala e começou a gritar que ele estava ali desde cedo e que ele não estava e tal, o médico discordou do grosso, e disse pra ele ir atender e parar de querer ser o esperto.

Para que pudesse me examinar ele queria que eu deitasse sobre a cama do consultório, mas não havia lençol, então pediu a uma funcionária para passar álcool sobre o colchão. Fui consultada, medicada e no fim o médico ainda me disse um: “Vai com Deus e melhoras.”

Ora, sabemos de todas as necessidades e dificuldades que existem, na rede pública de saúde, nem estou aqui pra fazer ode a ninguém. Só gostaria de ressaltar, que médicos humanitários, que fazem bem o seu trabalho e lutam contra as adversidades, merecem louvor. Não entendo como alguém pode ser médico e colocar o nariz lá no céu, se achando o rei. “Viemos do pó e ao pó retornaremos.”

As pessoas que procuram o SUS são pessoas que precisam de socorro (como eu hoje precisei) e que muitas vezes ficam em casa sentindo-se mal, (como eu também quis ficar) porque temem serem mal atendidas por um profissional (que é pago com o nosso dinheiro) que deveria zelar por nossa saúde como o Dr. Grosso que tivemos o desprazer de conhecermos hoje.

Médicos como o Dr. Ricardo Mesquita Ribeiro do P.U Saldanha Marinho, nos fazem ver que apesar das dificuldades ainda podemos ter esperança. Obrigada Dr. Ricardo pelo atendimento de hoje.

Um comentário:

Herval Junior disse...

alguns médicos ainda não entenderam que uma boa relação médico-paciente é o primeiro passo para a cura de um paciente. O Dr. Grosso deve ser um péssimo profissional, com certeza!
Melhoras pra ti...