Pages

7 de fev de 2010

Aluno de biomedicina na UFPE, negro, filho de catadora foi assassinado


Um aluno exemplar, que lutava para se formar em biomedicina numa universidade pública, símbolo da luta por inclusão social, era exemplo para os mais pobres de que pela educação era possíel possível mudar realidade de vida.



O estudante de biomedicina Alcides do Nascimento Lins, de 22 anos, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), foi morto a tiros na madrugada deste sábado (6), em sua casa, no Recife. Na época de sua aprovação no vestibular, ele foi o primeiro colocado da rede pública. A felicidade do momento vivido por ele e por sua mãe, a vendedora ambulante Maria Luiza do Nascimento, foi mostrada no Fantástico de 2007.


Segundo testemunhas, os criminosos estavam procurando por vizinhos do rapaz, mas como ele não soube informar onde estavam, mataram a vítima. Alcides será sepultado na manhã deste domingo (7), no Cemitério de Santo Amaro.

Alcides era estudante de escola pública e morador de uma comunidade carente, mas superou as dificuldades e passou no vestibular de um curso concorrido da instituição federal. "Eu sempre conversava com ele e pensava: esse vai ser um cara de futuro, vai entrar para a história. E de repente tem a vida interrompida por marginais, por pessoas que nem ao certo sabiam a pessoa grandiosa que ele era", disse a mãe após o crime.

O caso será investigado pela Polícia Civil a partir desta segunda-feira (8). De acordo com informações preliminares, a vítima teria sido atingida duas vezes na cabeça.

Em nota, a Universidade Federal de Pernambuco lamentou morte do estudante de biomedicina.

Luta da mãe para educar o filho

Na época em que o filho Alcides foi aprovado no vestibular da UFPE, Maria Luiza lembrou das dificuldades que passou para conseguir dar uma boa educação ao filho, que chegou a estudar encostado na parede de uma biblioteca no Recife. "Ele vai ser médico, ele quer ser cardiologista”, disse ela à reportagem do Fantástico, em 2007.

“Eu sustentei meus filhos com a carroça, porque eu não queria que eles ficassem como hoje em dia eu vivo. Para eu vê-lo um dia ser o que ele é, eu tive essa força, essa coragem para trabalhar noite e dia”, afirmou Maria Luiza, à época.

“Comprava uma quentinha para ele, e ele ficava lá, se alimentava lá, ficava escoradinho na parede, para ninguém ver, com vergonha. Mas eu dizia para não ter vergonha, porque um dia essa vergonha passa e ele será um grande doutor, porque eu tenho esperança", afirmou a mãe de Alcides, em 2007.

fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1479883-5598,00-ALUNO+DE+BIOMEDICINA+DA+UFPE+E+MORTO+A+TIROS+NO+RECIFE.html

O blog lamenta profundamente a morte desse jovem negro, que lutava para vencer todas as dificuldades e provar que pela educação tudo seria possível. Que fique o exemplo de que a educação efetivamente pode transformar vidas.

4 comentários:

Herval Junior disse...

Lamentável e muito!

Marcelo Bessa disse...

Realmente lamentável. Absurdo.
Mas ele não morreu por ser "negro e filho de uma catadora" e sim devido à violência desmedida em nosso país, que o fez vítima de alguém que nem o conhecia.
Um abraço, Jéssica.

Jéssica Carvalho disse...

Bessa, sim ele não morreu por suas origens, apenas quis ressaltar q apesar de suas origens havia vencido inúmeras barreiras e foi ceifado pela violência.

Marcelo Bessa disse...

Ah, sim! Concordo com você!
Valeu!