Pages

26 de abr de 2009

Algumas palavras

Concordo quando dizem que o IFF está acima de todos nós, mas acredito que a democracia, transparência e esclarecimentos a toda a comunidade "iffetiana" do campus-centro também deveriam estar em alta conta pela direção. Se houvessem se posicionado no sentido de esclarecerem, como tantas vezes foi proposto em posts de blogs, realmente teria sido inteiramente melhor.

Já que não se posicionaram, alguém que realmente poderia ter "emitido parecer" esclareceu de uma maneira bem transparente, mostrando em páginas de jornal tudo o que está acontecendo.
Aliás a despeito de alguns, o movimento pelas Diretas já no IFF! Teve inicio pelo Grêmio, Sinasefe, e Assetec. E não interesses individuais como tentam desqualificar. Essa desqualificação ao movimento, não passa de desespero de quem tenta a todo e qualquer custo fingir qua nada acontece dentro do IFF, e manter uma falsa imagem de segurança. Fingir que realmente vivemos uma gestão democrática e participativa...
Enfim como aluna do ensino superior, da Licenciatura em Geografia. Digo aos meus amigos, colegas, companheiros e professores: A luta continua! Pela marcação das eleições após 30 de junho! Pela democracia e pela participação!

Saudações a quem tem coragem!

A título de divulgação, aqui copio a atitude do companheiro Sepé e publico também a entrevista de hoje do Jornal Folha da Manhã.

Um comentário:

Anônimo disse...

A Reitora pro tempore do IFF afirma com orgulho que "na época da transformação de ETFC em CEFET, quando, numa transição bem menos complexa, o Diretor Geral teve o seu mandato estendido em até dois anos, mas convocou as eleições em um ano do prazo terminar", ela esqueceu de complementar que o Ministro da época era o autoritário Paulo Renato que desrespeitou, em várias Universidades Brasileiras, a indicação do Reitor com maior número de votos, escolhendo outro nome da Lista Tríplice mais "afinado" a suas conveniências. Só para refrescar a memória, veja a matéria da revista Isto É, intitulada "A Volta da Linha Dura", em 9/9/1998 (http://www.terra.com.br/istoe/politica/151024.htm). Época em que o mandato dos Diretores dos antigos CEFETs foram estendidas. Para Paulo Renato, diferentemente de agora, cumprir a Lei era desrespeitar a vontade do coletivo. UFA!!! Já viramos a página desta História, porém alguns ainda se orgulham dela.