Pages

24 de ago de 2010

Regimento autoritário gera protesto de estudantes no IFF





Ao som da principal palavra de ordem "não tem cabimento, vamos mudar esse regimento", diversos estudantes do Instituto Federal Fluminense (IFF) protestaram hoje por mais democracia e maior prazo para discussão do novo regimento da instituição. O protesto aconteceu no auditório Cristina Bastos do campus Campos-Centro, durante apresentação oficial da minuta de regimento proposta pela Reitoria.

Os estudantes reivindicam um prazo de 90 dias para que a comunidade acadêmica possa debater o regimento e também mudança na sistemática de debates, que hoje se restringe ao campo virtual onde as sugestões podem ser feitas por email. A apresentação da minuta foi feita pela Reitora, Cibele Daher, e pelo Pró-Reitor de Desenvolvimento Institucional, Roberto Moraes.

Com cartões amarelos na mão, os protestantes advertiram a Reitora Cibele Daher por ter faltado ao debate promovido pelos estudantes na semana passada. Eles ainda cobraram maior autonomia para os campi, o fim do caráter deliberativo do Colégio de Dirigentes e a abertura das reuniões do Conselho Superior para que a comunidade acadêmica possa assistir.

Para Maycon Prado, estudante do IFF e presidente da Federação dos Estudantes de Campos (FEC), a Reitoria tenta passar a idéia de que o debate é democrático e aberto, porém não aceita alterar a sistemática de discussão. Para ele, o que há é uma tentativa de maquiar a democracia e de atropelar um momento tão importante como a construção do regimento.

"Queria saber se a Reitora aceita que os estudantes criem um email para debater sugestões para nomeação dos pró-reitores e depois formem uma comissão para definir os nomeados. Seria mais democrático do que a nomeação por vontade única", indagou Maycon, fazendo uma analogia com a forma proposta pela reitoria para o debate do regimento.

A representante docente no Conselho Superior, Profª Edinalda Almeida, taxou a minuta do regimento como um esqueleto com osteoporose. Já o representante dos servidores, Ricardo Bessa, afirmou querer ver na prática o respeito e o diálogo com a comunidade acadêmica.

Ao final da apresentação, a reitora Cibele Daher se comprometeu a encaminhar proposta ao Conselho Superior para alongar o período de debates. Porém, a mesma não se posicionou sobre a proposta de alterar a sistemática de discussão, transferindo a responsabilidade para o Conselho Superior. Já os estudantes, liderados pela FEC e pelo grêmio estudantil, prometeram novas manifestações caso as reivindicações não sejam atendidas.

Release enviado pela FEC

3 comentários:

Anônimo disse...

Os estudantes são os maiores interessados! Devem ser ouvidos, ou seja, escutados!Esta é a lógica de todas as situações!

Splanchnizomai abraçando o amanhã. disse...

Com certeza!!! Com certeza!

Splanchnizomai abraçando o amanhã. disse...

O que achei mais lindo nisto tudo, foi a foto deles com o cartão amarelo.

Não vieram naquela imposição e com cartão vermelho, mas usaram a inteligência, a sabedoria e a serenidade.

É isso mesmo. Lindo isto! E assim todos poderão parar para pensar e raciocinar sem aquela exarcebação louca mas cheios de busca do certo, com respeito acima de tudo e do "pensar certo". Afinal, chega de pensarem por nós, não?

Os jovens são o presente de Campos. E jovens sadios e cheios de vontade de ver a coisa acontecer.

Gente, cartão Verde para vocês!

Parabéns! Assim tudo vai para frente. E Campos será conhecida como a "Cidade do Cartão Amarelo, porque os jovens querem dialogar antes de confrontar."

Parabéns! Lindo!Lindo Sapientia, o nome de seu blog não é um engano, mas a realidade retratada.

O Senhor Jesus abençoe vocês!Ricamente!